Thursday, July 25, 2024
Google search engine
InícioMarketingLetramento digital é fundamental para público 60+

Letramento digital é fundamental para público 60+

Após a realização de um curso sobre letramento digital para ajudar a identificar notícias falsas, pessoas com mais de 60 anos foram capazes de reconhecer a natureza verdadeira ou falsa de notícias, revela pesquisa realizada pela ESPM, escola de negócios, comunicação e marketing, encomendada pelo Instituto Poynter, que explora a intersecção entre jornalismo, tecnologia e interesse público. 

O estudo foi realizado por duas professoras do curso de jornalismo da ESPM e um professor do curso de Administração da ESPM, com os participantes de um curso oferecido pelo Projeto Comprova, iniciativa que reúne jornalistas de 41 veículos de comunicação brasileiros para descobrir e investigar informações suspeitas. As aulas aconteceram por meio da ferramenta WhatsApp, durante dez dias, e com os jornalistas Lillian Witte Fibe e Boris Casoy.

A pesquisa evidenciou que o grupo de 60+ desconhece as ferramentas de letramento digital, como SEO, click restraint, pesquisa de imagem invertida ou leitura lateral, o que justifica o gap de conhecimento e a necessidade da existência de um programa de letramento digital para a população com mais de 60 anos no Brasil. Apesar disso, após a realização do curso, os participantes foram capazes de reconhecer a natureza verdadeira ou falsa das notícias apresentadas uma vez que afirmaram procurar pelos textos originais ou relacionados. 

Em média, antes do curso, 50% dos respondentes avaliaram corretamente se a notícia era verdadeira ou falsa, enquanto 20% não sabiam e 30% fizeram avaliações erradas.  Após a realização do curso, o percentual de avaliação correta aumentou em 15 pontos, indicando o crescimento significativo da habilidade em identificar a natureza da informação. O sucesso foi obtido por 65% dos participantes, 17% não souberam avaliar e 18% erraram suas avaliações. “A leitura lateral, ou seja, a pesquisa em outras fontes, foi o principal mecanismo utilizado na checagem da natureza da informação. Isso leva à aceitação da hipótese de que o curso ajuda a alavancar a habilidade desse público 60+”, diz Maria Elisabete Antonioli, coordenadora do curso de jornalismo da ESPM.

Entre os 347 participantes, 54% eram do sexo feminino e no tópico grupo étnico 8% negros, 38% pardos, 52% brancos e asiáticos e indígenas 1% cada. Os percentuais para as faixas de renda familiar mensal foram 3% classe E, 12% classe D, 63% classe C, e 22% classe AB (acima de R$7.087,22). Como o acesso à informação exige alguma escolaridade, pessoas não alfabetizadas não fizeram parte da análise da pesquisa. A escolaridade funcionou como filtro e os percentuais para as diferentes escolaridades foram ensino fundamental (3%), ensino fundamental (14%), ensino médio (44%), ensino superior incompleto (9%), ensino superior completo (24%) e pós-graduação (5%). E 50% dos entrevistados ficam ativamente, em média, mais de duas horas navegando em mídias sociais, como Facebook, Twitter ou Instagram. 

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

MAIS POPULARES